Linkbão Oi Torpedo Click Jogos Online Rastreamento Correios Mundo Oi oitorpedo.com.br mundo oi torpedos mundo oi.com.br oi.com.br torpedo-online Tv Online torrent Resultado Dupla Sena Resultado Loteria Federal Resultado Loteca Resultado Lotofacil Resultado Lotogol Resultado Lotomania Resultado Mega-sena Resultado Quina Resultado Timemania baixa-facil Link-facil Resultado Loterias

terça-feira, 7 de junho de 2011

Crítica: Enter the Void


Gaspar Noé já havia chocado o mundo do cinema em 2002, com seu polêmico (e de muito mal gosto) Irreversível, no qual ele explorava cenas fortes de estupro. Apedrejado por uns e ovacionado por outros, encontrou recepção semelhante com seu novo trabalho, Enter The Void, que estreou no Festival de Cannes em 2009, mas só começou a carreira um ano depois, não tendo, até hoje, alcançado o circuito brasileiro.

A grande vantagem deste para Irreversível é que o que atraía a atenção para aquele era uma fator vazio (cenas chocantes), enquanto que neste os fatores patentes são os técnicos – especialmente a direção de fotografia – e os ideológicos (através do roteiro).

Nascido na Argentina e graduado na França, Noé trabalhou no projeto por cerca de 20 anos. A intenção era discursar sobre a experiência do quase-morte, através de uma visão subjetiva. A curiosidade sobre o assunto foi tanta, que o diretor declarou que ele mesmo já tentou várias vezes “sair” do próprio corpo, através de experiências de privação do sono, hipnose e até substâncias ilícitas. É com esta vibe alucinógena que ele desenvolveu todo o filme.

A própria abertura já testa os nervos dos espectadores, com um profusão absurda de cartelas de créditos, numa gama imensa de fontes e cores de letreiros, num resultado que Quentin Tarantino definiu como a melhor abertura de filme da história. Realmente, é muito boa, mesmo eu não achando que seja a melhor. Mas uma coisa já deixa claro: se você é epiléptico ou sofre de enjoo, não assista o vídeo.

A história se inicia num destes apartamentos minúsculos de algum gueto de Tóquio, onde moram os irmãos Oscar e Linda. Ele trabalha como traficante de pequeno porte e ela como stripper em uma boate. Ambos sofreram um trauma na infância, quando sobreviveram ao acidente de carro que matou seus pais. Oscar jurou, então, cuidar da irmã para o resto da vida – e até depois dela.

Viciado em DMT, alucinógeno que supostamente provoca o efeito de “saída” do corpo, Oscar se mete em encrencas que culminarão com sua morte.

Até este momento, a visão que temos da história já é subjetiva, através dos olhos de Oscar. Já ali a movimentação de câmera impressiona (e incomoda), com o piscar dos olhos constante e a sensação de embriaguez do personagem. É tudo feito quase que em planossequência, numa manipulação brilhante, cujos cortes de montagem são quase imperceptíveis. Além do uso de CGI (computação gráfica) melhor acabado até em hoje, no que se diz respeito a filmes de arte.

A partir do momento que o jovem morre, o filme entra num ritmo mais lento e embriagado, revezando os enquadramentos entre infindáveis (e vertiginosas) zenitais (ângulo no qual vemos a cenas por cima) e over shoulders (atrás dos ombros do personagem). São estes ângulos e sequências lentas que talvez sejam o ponto fraco do filme, porque apesar de serem justificados e muito bem utilizados, cansam não só as vistas, como se repetem demais.

Não há técnica que sustente o encantamento num projeto assim por 160 minutos de película e quando isso acaba, cabe à história reacender o interesse, o que também demora um tempinho. Ou seja, roteiro e técnica andam de mãos dadas na primeira hora, ambos se perdem na segunda e se reencontram para uma sequência final de 40 minutos de pura genialidade.

O Japão das luzes e das cores é o veículo perfeito para as alucinações práticas e teóricas do diretor, que não teve medo de ousar e de causar polêmica através das suas ideias. Se existe reencarnação ou vida pós-morte, Noé a imaginou e simulou da maneira mais crível que qualquer outro filme espiritualista já tenha tentado fazer.

Enter The Void faz um mergulho alucinógeno e depressivo na morte, no que vem um pouco antes e um pouco depois dela. É feito para (e consegue) atordoar a cabeça de alguns e causar repúdio em outros – o que é natural, quando se trata de ideias tão radicais. Um projeto ambicioso, realizado com primor e cuja megalomania é justificada pelo valor artistíco que o filme possui.

Abertura:

(idem, França/Alemanha/Itália/Canadá, 160 minutos, 2009)
Dir.: Gaspar Noé
Com Nathaniel Brown, Paz de la Huerta
Nota 9,0

10 comentários:

alan raspante disse...

A abertura é uma coisa linda. Acho que vale por todo o filme! hehehe

Bem, assisti o filme sem saber nada sobre ele, portanto demorei muito para entender realmente a história do filme, fui me tocar nas sequências finais.

No final, não gostei tanto como você. Mas é um filme válido e necessário.

[]s

Derso disse...

Na inscandescente camada de horrores complexas e sadicas ao longo do envoltar ao ser que se auto extravasa por si só tira-se a tal mesma conta do ser de conclusão de algo assim permitente óbvio caricato. Estende-se ao subalto de subalterno o ser perante meio que um tanto digamos ''errante'' de se apreciar de camarote tal tamanha surra de ostixilalidade sobre os bons olhos do senhor terninho presidente com seus dólares pesados de vergonha escrupulo a extremissima mesmisse do seu bode espiatorio tal resumido como pode.

Fred Burle disse...

Alan, independente de no fim gostarmos ou não, acho que para quem tem interesse em saber mais sobre cinema, é muito válido, pois trás conceitos novos e utilizações diferentes de velhas técnicas também.

Derso, só posso dizer que ri um bocado com o seu comentário.

Abs

israel korb disse...

Dooorgas manolo ariairairairaiariariaria

Anônimo disse...

Nada de mais. Só os meus olhos que arderam.

Anônimo disse...

Excelente filme para quem gosta do verdadeiro cinema, muito bem filmado, editado, fotografado.

Anônimo disse...

V de Vingança tem o nick de derso na net?!

Tenso!

Anônimo disse...

esse derso ai usa drugsss

Fred Burle disse...

Muito obrigado pelos comentários. Vocês me divertem, pessoal.

Abraços

Fernando Almeida disse...

Excelente análise sobre o filme. Não sei se é clichê dizer isso, mas foi muito parecido com o que observei. Exceto que não achei nenhuma parte do filme desnecessária. Muito pelo contrário. São todas válidas. As duas horas e meia de filme são pura arte. Ótimo filme.

Postar um comentário

Concordou com o que leu? Não concordou?
Comente! Importante: comentários ofensivos ou com palavras de baixo calão serão devidamente excluídos; e comentários anônimos serão lidos, talvez publicados, mas dificilmente respondidos.

 
Linkbão Oi Torpedo Click Jogos Online Rastreamento Correios Mundo Oi oitorpedo.com.br mundo oi torpedos mundo oi.com.br oi.com.br torpedo-online Tv Online torrent Resultado Dupla Sena Resultado Loteria Federal Resultado Loteca Resultado Lotofacil Resultado Lotogol Resultado Lotomania Resultado Mega-sena Resultado Quina Resultado Timemania baixa-facil Link-facil Resultado Loterias